Memórias de Uma Falsificadora

M. Tengarrinha/ J. Horta

teatro
26 abril a 30 abril 2021
seg: 19h; ter: 19h; qua: 19h; sex: 19h
Museu do Aljube – Resistência e Liberdade
Memórias de Uma Falsificadora

Joaquim Horta adapta ao teatro o livro de Margarida Tengarrinha Memórias de Uma Falsificadora – A Luta na Clandestinidade pela Liberdade em Portugal, que conta como a autora usou a sua habilidade de artista plástica e estudante de Belas Artes ao serviço da falsificação de documentos, garantindo o trabalho dos resistentes à ditadura de Salazar.
A vontade de adaptar Memórias de Uma Falsificadora parte de uma frase escrita por Margarida Tengarrinha no seu livro: “Quando leio relatos de vários camaradas, que já foram publicados, constato que falam de factos políticos importantes, momentos altos e heróicos da luta, mas nunca abordam estas questões do quotidiano que nós, mulheres, vivemos pacientemente. Será que foi menos heróico aquele nosso dia-a-dia desgastante e obscuro?” É pensando num retrato do quotidiano no período entre 1948 a 1974 que o ator e encenador parte para este novo espetáculo, usando as palavras e ideias de Margarida Tengarrinha.

Requer inscrição prévia: [email protected]

Conversa com Margarida Tengarrinha, no Auditório do Museu do Aljube, dia 22, às 18h30


Ficha técnica:

Horta – produtos culturais, Truta, Museu do Aljube e São Luiz Teatro Municipal. A partir do livro de Margarida Tengarrinha. Joaquim Horta, adaptação e encenação; Catarina Requeijo, interpretação.

Local: