Mário Domingues

Anarquista, cronista e escritor da condição negra

literatura
14 janeiro a 28 março 2022
vários horários
Biblioteca Nacional de Portugal
Mário Domingues

Mário Domingues (1899-1977), jornalista, cronista e escritor nascido em São Tomé e Príncipe, com apenas 20 anos de idade, começou a escrever regularmente no diário anarcossindicalista A Batalha e noutros periódicos. Destacou-se como um dos primeiros a defender abertamente, em Lisboa, a independência das colónias portuguesas em África, manifestando-se contra a exploração dos trabalhadores, a dominação colonial, o racismo, a opressão sobre as mulheres e a tirania política do colonialismo moderno, em defesa da dignidade, da cultura e das organizações da população negra e africana.

Após a instituição do regime ditatorial de Salazar, optou pela via audaz de subsistir exclusivamente do seu ofício de escritor, dissimulando-se sob pseudónimos estrangeiros, com os quais assinou mais de uma centena de romances policiais e de aventuras extraordinárias.

A presente mostra divulga, por meio de documentos, fotos e da reprodução de artigos de imprensa e de livros, as diversas facetas da sua vida e obra: a de expoente, durante a Primeira República, do movimento negro em Portugal e da oposição moral e política ao imperialismo e ao colonialismo português no jornal A Batalha; a de jornalista negro no Detective e no Repórter X; a de novelista e romancista; a de escritor de livros de aventura e evocações históricas.

Segunda a sexta, das 9h30 às 19h30 | Sábado, das 9h30 às 17h30


Local: