Videocriação na Galiza: uma cartografia

Cervantes online

cinema
3 setembro a 30 setembro 2021
vários horários
Videocriação na Galiza: uma cartografia

Ao longo do mês de setembro, o canal Vimeo do Instituto Cervantes é o espaço onde convergem o cinema, a videoarte, os videoclipes e outros modelos de criação audiovisual de definição imprecisa. É especialmente nestes territórios tangenciais, nestes cruzamentos que a experimentação e o desenvolvimento de novas linguagens audiovisuais é mais propício.

O ciclo Videocriação na Galiza: uma cartografia apresenta – graças à colaboração entre o Instituto Cervantes e o festival de arte audiovisual contemporânea da Corunha, Interseção – uma coleção de peças extremamente heterogéneas, cujos pontos comuns são, por um lado, a vontade de superar ou reinventar os limites da linguagem audiovisual e, por outro, ter permitido a criação deste festival galego com vocação internacional, que visa acolher e divulgar as novas vozes da criação audiovisual.

Os filmes estão disponíveis no canal Vimeo do Instituto Cervantes durante 48h a partir das 19h da primeira data de exibição.

Programa:

3 a 5 setembro
Foco

De Ignacio Pardo (1985-2004)
Ignacio Pardo é um dos pioneiros da arte vídeo na Galiza, e em Espanha. O seu trabalho em vídeo gira em torno dos temas clássicos de Eros e Thanatos.

7 a 9 setembro

Lume
De Alberte Pagán
Lume (Fogo) é uma das últimas obras do realizador galego Alberte Pagán, especialista em cinema experimental, que recebeu em 2016 o Prémio da Crítica de Galiza na categoria de Cinema e Audiovisual Artes.

10 a 12 setembro

Inside the Microtubule
De Judith Adataberna
udith Adataberna, uma artista visual galega especializada em fotografia, video-instalação e cinema experimental, explora os mecanismos da nossa memória através das memórias cada vez mais frágeis da sua avó de 99 anos e de diferentes imagens audiovisuais.

14 a 16 setembro
Reality
De David Fidalgo
David Fidalgo Omil é um artista visual e cineasta cujo trabalho usa a animação para produzir peças humorísticas e críticas, nas quais incide múltiplos aspetos do contexto digital, mediático e televisivo.

17 a 19 setembro
Foco DSK (2000-2017)
De DSK
O foco dedicado ao DSK, grupo formado por Juan Lesta e Belén Montero, é a primeira viagem antológica da obra versátil – intimamente ligada durante seus vinte anos de atuação na vanguarda – desses artistas, verdadeiros pioneiros da videoarte na Galiza.

21 a 23 setembro
Llamada a la escuela
De Carme Nogueira
Carme Nogueira é uma artista multidisciplinar, investigadora e professora, com uma vasta experiência tanto no campo criativo como académico, que, para Llamada a la escuela, recupera arquivos escolares e testemunhos das crianças que frequentaram a escola pública de Las Hurdes no início da década de 1930 e inter-relaciona-os com uma passagem do documentário de Luis Buñuel Las Hurdes: tierra sin pan (1933), bem como com desenhos de crianças numa escola nos dias de hoje, gerando uma proposta audiovisual de grande força e sensibilidade.

24 a 26 setembro
-oito
De Berio Molina y Alexandre Cancelo
Berio Molina, artista audiovisual galego que experimenta procedimentos de perceção sonora como fonte de inspiração estética, assina esta obra de videoarte experimental na qual explora e joga com diferentes sons – incluindo a voz humana – num espaço muito particular: Clifton Rocks, a estação ferroviária subterrânea esculpida, localizada dentro da colina inglesa de Avon Gorge, cuja estrutura inclinada cria pequenos anfiteatros onde as ressonâncias dos sons vindos de fora e de dentro são acentuadas.

28 a 30 setembro
Magma
De Carla Andrade
Carla Andrade é uma artista que foca o seu trabalho na fotografia, pintura e filme experimental. Com Magma apresenta-nos uma peça audiovisual que convida à reflexão sobre o intemporal e o cíclico, em que o movimento, a luz e a cor, juntamente com a excelente música do compositor canadiano Jonathan Kawchuk, criam um diálogo de singular beleza.