Eurovisão da Canção Filosófica

música, teatro
25 setembro a 27 setembro 2020
19h00
Teatro Nacional D. Maria II
Eurovisão da Canção Filosófica

Eurovisão da Canção Filosófica tem origem no espetáculo 1973, criado no Festival d’Avignon em 2010, que consistia numa recriação do concurso Eurovisão da Canção desse ano da década de 70. Porque regressam agora Massimo Furlan e Claire de Raubepierre a esta ideia em torno do Festival da Canção? É que o concurso ajuda a compreender, não só a música pop, mas também as questões da identidade. A identidade dos diferentes países representados, bem como da Europa como comunidade, a qual tem sido crescentemente posta em causa. A 11 pensadores (filósofos, historiadores, antropólogos, etc.) de 11 países europeus foi entregue a tarefa de escrever canções que desenvolvem uma reflexão sobre a relação da humanidade com os grandes temas da filosofia. Todas as canções são interpretadas na língua original do seu autor. Depois, um júri local, constituído por figuras de destaque de várias áreas da sociedade, faz a sua avaliação.

Com esta Eurovisão da Canção Filosófica espera-se colocar a música pop em relação com o pensamento filosófico, como resposta ao crescente desprezo dos discursos populistas relativamente aos intelectuais e o desaparecimento do pensamento no espaço público em detrimento do entretenimento. O objetivo é usar um Cavalo de Tróia, ou seja, introduzir o pensamento e a reflexão filosófica no coração do entretenimento.

Espetáculo falado em português e noutras línguas, com legendas em português.


Ficha técnica:

Numero23Prod. Massimo Furlan, conceito e encenação; Claire de Ribaupierre, conceito e dramaturgia; Massimo Furlan, Catarina Furtado e a participação de um júri local, interpretação; José Bragança de Miranda, autor da canção portuguesa.

Local: