Ana Salomé Paiva

Era a minha avó, a minha mãe, era eu

artes
1 março a 24 março 2024
vários horários
Associação Goela
Ana Salomé Paiva

Era a Minha Avó, a Minha Mãe, era Eu unifica vivências de várias gerações de mulheres através dos seus quotidianos e gestos singulares, refletidos nas mãos tensas que revelam em silêncio os diversos estados emocionais: dores, tristezas, angústias, insegurança, impaciência e submissão.

Se uma avó cativa o olhar na infância com os seus gestos repetitivos e eternos, agora gravados na matriz, os mesmos gestos silenciosos cativam o observador. Gravuras com as suas mãos e corpos caídos em si, corpos, ou dorsos, que permanecem imóveis e fixos no seu rigor, no seu segredo, ninguém os demove, ninguém os move.

Quantas violências foram e são exercidas sobre as mulheres ao longo das gerações?

Nos dias 9 e 24 de março, pelas 16h30, Filipa Cordeiro apresenta uma performance de som, em diálogo com as gravuras e as histórias que elas trazem. Partindo de meios simples (a voz e alguns objetos), propõe lançar sons dentro da sala de exposição: sons repetitivos e sujos, como os dos gestos da gravura; sons doces e de lamento, como os da dor e os da amizade.

 

Quinta a domingo, das 14h às 17h


Local:

Rua dos Baldaques, 47 215 950 093 associacaogoela.blogspot.pt

associacao.goela@gmail.com